domingo, 13 de janeiro de 2019

MANOEL PRETO: O MAIOR CAÇADOR DE VEADO DA HISTÓRIA DE JAPI.


ESSE TEXTO APRESENTARÁ AOS LEITORES UM ENREDO, DE TANTOS OUTROS QUE ACONTECERAM DURANTE CAÇADAS QUE MANOEL PRETO JÁ FEZ DURANTE SUA VIDA. TANTO ESSE TEXTO QUANTO OUTROS, ENVOLVENDO AS AVENTURAS DE MANOEL PRETO ESTARÃO NA NOVA EDIÇÃO DO LIVRO QUE EDSON BATISTA IRÁ LANÇAR EM BREVE. 
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé
Manoel Francisco conhecido por Manoel Preto é considerado o maior caçador de veado da história da região do Trairi. Segundo ele, já matou mais 2500 veados.  Ele viveu quase toda a sua vida embrenhada nas serras do Brandão, caçando veado. Nesse lugar, décadas a traz havia a maior concentração dessa espécie de animal. Agora, depois da grande ocupação humana consequente especificamente de um assentamento agrário, a localidade ainda é o local aonde existe mais veados.
         O brandão é uma área montanhosa e de mata fechada que fica num espigão de serras que compõem a Borborema Potiguar. Nesse referido lugar (Brandão) Manoel foi morar com seus pais desde criança, na primeira metade do século XX na década de 1930.
A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up
Manoel Preto É de fato um arauto das velhas e dos maiores acontecimentos que já se deu aqui com caçadores, nas matas do Brandão e áreas vizinhas. Por tudo isso, e por ele ser um nativo daquela localidade, com tantas experiências vividas como vaqueiro e caçador, um homem de caráter, personalidade forte com uma figura típica do povo nordestino, eu o admiro muito e, portanto, ele passou a ser um dos principais colaboradores desse meu segundo projeto, no sentido de enriquecermos de informações de fatos verdadeiros que ocorreram na vida cotidiana dele nas terras do brandão.
No tocante a área do Brandão, um dia Manoel me disse: - conheço todos os caminhos, veredas, pedras, árvores, animais, lagoas, códigos, poços, tanques, todas as fontes de água, as feras do campo e da mata e como elas vivem, doenças e curas com plantas naturais, a esperteza e a inocência dos animai e os fenômenos naturais.
Sem conhecer outros mundos. Ali viveu até envelhecer, casou com Dona Marilda com quem tiveram vários filhos, entre os quais quero citar nomes de dois amigos “Carlos Dragão” e o saudoso Zé de Manoel Preto.
Até ontem o senhor Manoel Preto morou numa casa que fica na rua São Sebastião em Japi/RN, ao lado da Igreja Adventista do 7º dia, de frente para a casa da professora Irene Pinheiro. Vale salientar, com muita tristeza que ontem à noite o senhor Manoel Preto faleceu. Ele se encontrava muito enfermo e quase não via nada.                                                                                                                                                              
Esse gigante da mata do Brandão chegou a lutar com onças, cobras gigantes e venenosas e teve que conviver com o medo e frustrações de assombrações (malassombros) e o desafio de ter que enfrentar todas as adversidades da mata e do sobrenatural: Almas penadas, “visagens” subsomem, fulorzinha (florzinha), caipora e o pai do mato.
Nesse tempo a mata era quase virgem e havia muitas espécies de animais que são extintos. Dentro desse contexto selvático existia a crendice de visão assombrosas e aparições. Era um tempo que o tempo não esquece”. O tempo das aparições misteriosas oferecendo botijas e fortunas vindas do além não sei para quem.           
        Em meio a esse tempo, em maio de 1974 Manoel Preto viveu uma grande aventura, quando fez uma das maiores caçadas de sua vida. Nesse tempo, o saudoso Francisco Medeiros Sobrinho acabara de derrubar muitas árvores para botar um roçado. A área na qual ocorreu esse fato é conhecida por Ubaia.
        Segundo o informante Manoel Preto, nesse lugar havia muitas cobras de espécies diferentes, inclusive as mais temidas serpentes que existe daqui que são: cascavel e jararaca que tinha em abundância na referida localidade.
        Na conversa que tive com Manoel Preto ele me disse que um dia chamou um amigo de confiança para ir com ele a procura de veado para matar. O nome do companheiro era Zé de França.

         Zé de França, Edson Batista e Carlos Dragão

Um dia antes Zé de França foi dormir na casa de Manoel Preto. Às 02:00 da manhã do dia seguinte saíram da casa e entraram na mata escura tentando a sorte numa grande e arriscada aventura. Segundo o informante, logo que os dois saíram, a poucas braças dali pegaram o caminho que vai até as terras do saudoso Pedro Araújo de Medeiros, pai do ex-prefeito Róbson Wanderley de Medeiros. Atravessaram a propriedade de Pedrinho e chegaram até as terras de Pedro de Almeida (o então dono do Brandão) aonde Manoel avistou dois tamanduás em cima de um pé de uma árvore. Manoel tirou uma vara bem grande e forte, puxou os dois animais, matou-os e os colocou num saco e seguiram viagem. No meio do caminho ele deu um tamanduá para o colega levar porque pesavam muito e partiram rumo ao destino desejado.
        Próximo a um lajeiro os três cachorros que os acompanhavam acuaram duas enormes cobras, “saramanta boi”. Aconteceu que quando os dois caçadores se aproximaram e viram as serpentes, que eram enormes, cujas tinham aproximadamente 15 metros de comprimentos, pulando quase dois metros de altura tentando pegar os cachorros, dando bufos e assopros que se ouvir a mais de quinhentos metros de distância, o colega de Manoel Preto, o conterrâneo Zé de França tentou correr. Então Manoel Preto disse: - Não corra não! Se você correr eu te mato! Zé de França ficou só observando “com o coração” na mão. Tremia de medo ao ver aquela terrível cena. Enquanto isso, Manoel Preto cortou uma grande vara de mororó e partiu para cima das cobras. Matou uma e depois matou a outra. Era uma fêmea e um macho. Quando findou a batalha, Manoel estava muito cansado e suava muito.
Imagem relacionada       Segundo o informante isso ocorreu perto da lagoa do Inácio, do lado de lá do cercado de Haroldo. Do lado de lá do cercado do Aroldo fica o Brandão. Na verdade, quando a lagoa está cheia uma parte fica no cercado de Aroldo e outra no Brandão. A lagoa separava as duas partes.
       
Foto: Planeta dos Animais


Autor do Texto: Edson Batista dos Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO LEITOR: O Blog não se responsabiliza pelas opiniões e comentários. Em geral, o nosso Blog não analisa nem endossa o conteúdo dos comentários, principalmente os comentários postados pelo Facebook; Não permitimos o uso de linguagem ofensiva, spam, fraude, discurso de violência, comportamento violento ou negativo, conteúdo sexualmente explícito ou que invada a privacidade de alguém.

IMPORTANTE: Este Blog aceita comentários anônimos mas repudia a falsidade ideológica. Recomendamos aos leitores utilizarem o seu nome, sobrenome e e-mail (caso tenha algum), dos quais sejam legítimos para identificação.

Seu comentário será enviado para o moderador.